Monday, October 02, 2006

Engenheira por precisão

"PRECISÃO: s. f., necessidade; carência de alguma coisa indispensável ou útil; qualidade do que é exato; exatidão; pontualidade; exatidão de cálculos; rigor sóbrio de linguagem; concisão."

Estes significados atribuídos para a palavra precisão segundo o dicionário, justificam de forma literal as razões que me fizeram escolher a Engenharia como profissão.

Uma menina de 13 anos não sabe muito bem os motivos que a levam a escolher o CEFET como escola para estudar no 2º grau, muito menos qual curso pretende fazer. Comigo não foi diferente. Lembro-me apenas que fui influenciada por minha irmã, Luciana, que já estudava lá, e só tinha elogios tanto para a escola como para o curso de Eletromecânica. Somente com o tempo é que passei a entender melhor os detalhes da profissão, e percebendo, no fim das contas, que havia realmente feito uma boa escolha!

Como todos devem saber, o método utilizado pelo CEFET visava a formação no ensino médio e o técnico profissionalizante ao mesmo tempo. Por isso, o curso não durava 3, mas sim 4 anos. No último ano, precisávamos fazer mais uma escolha: a habilitação, que era o ramo específico para nos especializarmos, e para onde seria direcionado o estágio.

Nos 1º e 2º ano eu era uma "estudante profissional". Minhas aulas aconteciam pela manhã e, normalmente, eu arranjava um motivo para ficar lá pela escola depois da aula: um trabalho, uma lista de exercícios, estudar com os colegas nas vésperas das provas, passar o tempo, jogar conversa fora com os amigos, ou mesmo dormir nas arquibancadas do campo de futebol. No final da tarde, começava o treino de atletismo e só depois dele eu ia pra casa. Esta era a minha rotina. Foi o que me fez, de forma natural, gostar daquele ambiente e me apegar cada vez mais ao que eu vivia ali, inclusive ao conhecimento que eu adquiria.

Em 1997 eu comecei a trabalhar. A necessidade surgiu depois de uma discussão que tive com meu pai, cuja causa eu jamais vou lembrar. Não me esqueço é de sua conseqüência: em forma de castigo, ele não me deu o dinheiro para que eu pudesse pegar o ônibus e ir à Escola no dia seguinte, o que me obrigou a fazer a pé o caminho que, de ônibus, durava 40 minutos. Não sei por quanto tempo andei, mas enquanto caminhava eu percebi que não podia mais depender exclusivamente do dinheiro dele.

Comecei como bolsista do próprio CEFET. Depois, já em 1998, contei com o apoio de um professor que acabou se tornando um grande tutor. Foi ele quem me orientou sobre minhas próximas escolhas: fazer habilitação em Eletrotécnica e estudar na turma da noite, deixando o tempo livre para trabalhar. Também através dele, consegui o meu primeiro emprego com carteira assinada: eu era a secretária no escritório de uma obra da CHESF em que ele era o Engenheiro. Pena que entrei lá já sabendo que a obra acabaria em menos de um ano, e em seguida todos seriam demitidos. Era assim que funcionava.

Sem falar que aquele já era meu último ano e eu precisava cumprir o estágio curricular do CEFET para poder me formar. Por isso não parei de procurar outra oportunidade. E a melhor delas foi vir à Fortaleza estagiar na Cemec, uma indústria de transformadores.

Havia 2 vagas: uma para um técnico já formado, que minha irmã conquistou, e outra para estagiário, que eu também consegui. Na verdade, a Cemec sempre selecionava um aluno do CEFET-RN para estagiar lá. Naquele ano, de todos os meus colegas concluintes, somente eu tive a coragem de ir embora e enfrentar a nova cidade, me sustentando com o salário de estagiária. Sorte que viemos nós duas, eu e Luciana. Assim, podíamos dividir o apartamento, as despesas e a experiência de sair de casa deixando tudo para trás.

Na Cemec, concluí meu estágio e logo em seguida fui contratada. No fim das contas, passei 4 anos por lá. Me orgulho e sou grata por tudo o que aprendi naquela empresa. Saí de lá em busca de novas e melhores oportunidades que, graças a Deus, venho conseguindo desde então. Passei pela Rigesa, uma indústria de embalagens pertencente a um grupo multinacional, e hoje estou na Esmaltec, uma indústria de eletrodomésticos.

Iniciei minha carreira na área de Gestão da Qualidade, desde o estágio, e é onde atuo até hoje, aplicando nas empresas os requisitos da Norma ISO 9001. O CEFET e a formação técnica me abriu as portas para entrar no ramo industrial, e me preparou para lidar com o mundo corporativo. Mas, na prática, muito do que eu precisava fazer no trabalho eu aprendi do zero, somente depois de me formar. De lá pra cá, muitas coisas mudaram nas empresas, nos conceitos que aplicamos na Gestão da Qualidade, a própria ISO 9001 mudou. E eu precisei me adaptar a essas mudanças, evoluir junto com elas.

Nesse meio tempo, entrei na Universidade. Dessa vez, minha escolha estava sendo melhor analisada. Mas admito que nem por isso havia certezas absolutas em minhas decisões, pelo contrário. Inicialmente eu me baseava nas coisas que eu gostava de fazer e no que eu gostaria de aprender. Assim, durante 2 anos, prestei vestibular para Engenharia Elétrica, Administração e depois para Letras! Não passei em nenhuma das vezes.

Quando eu quase largava tudo para fazer Educação Física, percebi finalmente que o que eu precisava mesmo era seguir na mesma linha do ramo onde eu já trabalhava, assim poderia continuar evoluindo profissionalmente. Foi então que definitivamente escolhi: Engenharia de Produção Mecânica na UFC. E passei!

Engenharia de Produção é um curso versátil. Aprendemos ao mesmo tempo os cálculos da Matemática e da Física, a subjetividade da liderança, das estratégias e planejamentos, o preciosismo do projeto, entender o mercado, os produtos, os clientes, e tentar, da forma mais eficiente possível, fazer os melhores produtos, processos ou serviços necessários.

Permaneço na rotina "Casa - Trabalho - Universidade - Casa" desde 2002. Apesar desse tempo que já se passou, a minha formatura ainda está um pouco longe, isso por causa da dedicação que preciso dividir entre trabalho e estudo. Mas valorizo muito a vida acadêmica e profissional que já experimentei, e tenho pés no chão quanto aos meus projetos para o futuro, que não descartam nenhum dos degraus que me trouxeram até aqui. Sigo em frente então, com a quase certeza de que estou no caminho certo!

5 Comentário(s) para: Engenheira por precisão

  • Olá Lediana, te desejo sucesso nessa sua jornada, q não é nada fácil, tb tenho minhas incertezas, mas sigo em frente. Gostei do seu blog, visitarei com frequência...
    Renato
    http://www.blog.zenatuz.com

    Blogger Renato Resende Batista, em 2/10/06 11:56  

  • Esse foi, com certeza, um dos seus melhores posts,,, Não só porque ele mostra uma grande parte do que vc é/se tornou, e sim porque, na verdade, ele parece a construção do quebra-cabeças ou mesmo do castelo forte e robusto (tanto por fora quanto por dentro) que é VOCÊ!

    Foi lendo esse post que eu pude lembrar da nossa primeira conversa, em um ônibus Mossoró-Fortaleza, onde vc procurou resumir toda sua épica de sair de casa,,, Lembro que na época eu achava que era preciso muita coragem e desprendimento pra fazer, tudo isso,,, Hoje, mais do que nunca, percebo como tudo que aconteceu naquela época (principalmente) foi importante para sua formação atual,,, Há inclusive nesse texto uma parte da qual eu não sabia/não lembrava: o fato de vc ter ficado sem dinheiro para pegar o transporte e, assim, ter decidido que isso não deveria mais acontecer!

    É parte também desse castelo todas as suas escolhas acadêmicas/profissionais: os vestibulares, as áreas diferentes, as empresas onde trabalhou, etc,,, Mas o mais impressionante de tudo é perceber que tudo que aconteceu fez com que vc estivesse sempre do "lado certo", sempre trabalhando e lutando por uma vida melhor para vc e para todos ao seu redor,,, Pra vc nada demais, pois vc é assim,,, Muita gente não tem esse tipo de atitude e acaba se perdendo no meio do caminho,,,


    Espero poder estar sempre por perto pra comprovar cada pedacinho desse castelo em constante formação!


    Beijos!

    Anonymous David, em 2/10/06 14:49  

  • é isso ai Lediana, seguir atras dos objetivos. Quando as coisas comecam a acontecer assim normalmente é porque esta no caminho certo :)

    Sobre o post do '300', ele é um filme baseado numa HQ do Frank Miller, conta a historia de 300 espartanos. Aquiles (aka, brad pitt) na saga de Troia era um espartano, por exemplo.

    Blogger Edge, em 2/10/06 23:22  

  • Bom mesmo eh saber onde se quer chegar, muitos chegam rapidos, outros com muitas voltas, muitas giradas... mas eh isso ai, o importante eh chegar

    Anonymous Eduardo, em 5/10/06 01:48  

  • Valha, eu jurava que ja tinha comentado nesse teu post! Bom, nem lembro o que eu falei, e é meio impossível ler isso tudo de novo.. heheh
    O fato é que fico feliz por ter seu caminho bem claro. Gostaria muito de ter feito uma graduação com prazer...

    Blogger Val, em 15/10/06 22:51  

Post a Comment

<< Voltar ao blog